Curso Make Total Compensa?

Pois é, a resposta com certeza é unanime todas as mulheres gostam de se sentir lindas e atraentes, e porque não receber uma ajudinha da maquiagem para realçar essa beleza?

Pensando nisso, a maquiadora Luciane Ferraz criou o Curso de Maquiagem Make Total, que irá te fornecer tudo aquilo que até então acreditava estar escondido com relação ao mundo da maquiagem profissional.

São recomendações valiosíssimas, as quais você não encontra em qualquer tutorial na internet.

O Produto Curso Make Total Funciona mesmo?

No Curso de Maquiagem Make Total, Lu Ferraez fez uma coletânea dos seus mais de 17 anos de experiência com maquiagem, e o resultado é um pacote completo com todos os conhecimentos necessários para uma mulher se maquiar perfeitamente bem.

Com ele você irá aprender a realmente criar uma maquiagem perfeita e que se adeque ao seu rosto. Vai conhecer técnicas para deixar sua maquiagem mais bonita e duradoura, além de alguns truques que ajudam a realçar partes preferidas do seu rosto.

Vale lembrar que são técnicas bastante simples e fáceis, que você vai conseguir fazer sozinha na sua casa. Basta ter um bom conjunto de make para que a produção final saia sensacional, como a de um profissional.

O Conteúdo do Produto Curso Make Total é bom?

O Curso Make Total é composto por 24 vídeo-aulas objetivas e dinâmicas, onde você irá aprender tudo sobre maquiagem. Do Básico ao avançado.

Veja abaixo algumas coisas que você vai aprender no curso:

Identificar a maquiagem certa para cada tipo de rosto;
Como corrigir sobrancelhas;
Degradê e fusão de cores;
Como montar o kit básico de maquiagem;
Como escolher a base;
Contornos, luz e sombra;
Truques para aplicar delineador e cílios postiço;
Olhos grandes X Olhos pequenos;
Como aplicar corretivo sem mistérios.

O Curso Make Total inicia-se com um conteúdo voltado para os iniciantes na prática de maquiagem. Ele fornece informações acerca de como realizar uma maquiagem, ensina o básico sobre este assunto, além de recomendar produtos que auxiliam na hora de economizar e mostra como utilizá-los de forma correta.

Haverá aulas do intermediário, que darão uma panorama mais técnico sobre o trabalho com maquiagens. Você terá acesso a informações sobre tipos de peles e contornos faciais, e mais técnicas especializadas sobre maquiagem.

E também haverão aulas mais avançadas, tirando dúvidas a fundo sobre alguns pontos que as mulheres em dificuldades, como: contornos, cílios postiços, delineador etc.

Veja no vídeo, algumas dicas incríveis de maquiagem para madrinha de casamento, por Lu Ferraez:

Para Quem Serve o curso da Lu Ferraes?
Na realidade, o curso Make Total serve para todas as mulheres que gostam de maquiagem, e que querem se sentir mais bonitas, e também querem fazer com que outras mulheres também se sintam assim. Ele serve para:

Mulheres que são iniciantes na maquiagem;
Mulheres que já fazem alguma maquiagem em casa, mas querem aprender mais;
Mulheres que trabalham com maquiagem, mas querem se profissionalizar;
Mulheres que já trabalham com maquiagem, e querem se atualizar e aprender novas técnicas.
Qual é a Garantia?
Certamente o Curso Make Total te dará todo o apoio caso surjam dúvidas ou seja necessário troca do produto.

Caso ele não esteja de acordo com o que você esperava, você pode ficar tranquilo que seu dinheiro será devolvido.

A sua compra é 100% protegida pela plataforma Hotmart. E se dentro do período de 30 dias você se sentir insatisfeita, é só enviar um e-mail ou mensagem através do próprio Hotmart, e o seu dinheiro será devolvido. Centavo por centavo.

Suporte do Curso
Se você tiver qualquer dúvida sobre o conteúdo do curso, poderá tirar as duas dúvidas com a Lu através do formulário de suporte, disponível na própria área de membros do curso.

Sobre a Entrega
Assim que o seu pagamento for confirmado, você receberá um e-mail do Hotmart com o link para acesso ao curso, login e senha.

Depois é só preencher a tela de acesso ao curso e iniciar suas aulas!

Lembrando que o prazo de entrega depende da forma de pagamento que você escolher:

– Se você comprar via Boleto, o prazo de entrega é de até 72 horas, pois é necessário esperar o sistema do banco identificar seu pagamento.

– Se você comprar no Cartão de Crédito, a entrega é feita praticamente na hora, pois é liberada assim que a compra é aprovada.

Bônus exclusivos
Como bônus, a Lu te dará de presente um certificado exclusivo! Assim você poderá comprovar que sabe tudo sobre maquiagem!

Conclusão: Vale a pena comprar o Curso Make Total?
make total comprar

Acredito que depois de toda essa explicação sobre o produto não tenha ficado dúvidas de que vale sim muito a pena adquirir este curso de maquiagem profissional.

Afinal, não é todo dia que se tem a oportunidade de fazer um curso de maquiagem com uma profissional com mais de 17 anos de experiência, não é mesmo?

Panetones lucrativos

O panetones lucrativos é um alimento tradicional da época de Natal, de origem milanesa, do norte da Itália. Várias lendas tentam explicar a sua origem. O pão doce de natal possui fragrância discreta de baunilha e recheio de frutas secas, tais como damasco, laranja, limão, figo, maçã, cidra e a uva passa.

Apesar de geralmente ser associado à cultura milanesa, tendo a forma alta e mais fina, há também o panetone piemontês, diferente apenas por ser mais largo e redondo.

De tão tradicional no Brasil, o panetone parece ter sido inventado aqui mesmo. Mas não foi. O pão amplamente consumido no Natal foi criado em Milão, na Itália, graças ao “erro” de um padeiro. A lenda em torno de sua criação.

Tradicional iguaria consumida na época do Natal, o panetone é um pão doce, recheado de frutas secas (uvas passas e frutas cristalizadas). Tem fragrância de baunilha. Sua consistência macia é resultado de um processo de fermentação natural.

A origem do panetone é um mistério. Existem várias lendas sobre sua origem, com uma descrição em comum: o Panetone tem origem em Milão, na Itália.

Segundo uma das lendas, o panetone foi criado por um padeiro chamado Toni, que trabalhava na padaria Della Grazia, em Milão, na época de Ludovico, o Mouro (1452 – 1508). O jovem padeiro, apaixonado pela filha do patrão, teria inventado o pão doce para impressionar o pai de sua amada. Os fregueses passaram a pedir o “Pani de Toni”, que evoluiu para o “panattón” (vocábulo milanês), e depois para “panettone” (italiano).

Segundo outra lenda, o panetone foi inventado na corte de Ludovico, o Mouro, na véspera do Natal, entre os anos de 1494-1500. Conta a lenda que o Natal era uma grande festa celebrada com grandes banquetes. Em um dos Natais, a sobremesa que havia sido preparada queimou ao ser assada. Um dos empregados da cozinha, chamado Antonio, havia preparado uma massa com sobras de ingredientes, que pretendia levar para sua casa. Sem outra opção, ofereceu sua massa para servir como sobremesa para a corte. De acordo com a lenda, a sobremesa foi tão apreciada que Ludovico perguntou qual o nome da iguaria. O jovem Antonio, chamado para responder a pergunta de Ludovico, disse que a sobremesa não tinha nome. Ludovico resolveu chamá-la de “Pani de Toni”, dando origem ao nome.

Outra lenda diz que o panetone foi inventado no século III d. C. Á princípio, segundo essa versão, teria a forma de um pão grande.

Atualmente, o panetone é comercializado em unidades, geralmente de 500 gramas. Nas últimas écadas, surgiram inúmeras variedades de recheios de panetone (Chocotone, Colomba Pascoal, Sorvetone, etc.).

São Paulo – De tão tradicional no Brasil, o panetone parece ter sido inventado aqui mesmo. Mas não foi. O pão amplamente consumido no Natal foi criado em Milão, na Itália, graças ao “erro” de um padeiro.

A lenda em torno de sua criação remonta ao ano de 900 e diz que o humilde assistente de padeiro Toni, após ter trabalhado horas a fio na véspera de Natal, precisava ainda assar mais uma fornada de pães e preparar uma torta para seu chefe.

De tão exausto que estava, confundiu-se e colocou as uvas passas da torta na massa de pão.

Desesperado, tentou salvar a situação jogando frutas cristalizadas, manteiga, ovos e os demais ingredientes do recheio que seriam usados originalmente na torta. Toni assou a mistura e entregou para o patrão.

O que o assistente não esperava era que sua criação fizesse sucesso durante a ceia de Natal de seu chefe, que, além de elogiá-lo, decidiu homenageá-lo e dar o nome à massa de “pane di Toni” (“Pão do Toni”, na tradução do italiano). Com o passar do tempo, o bolo começou a ser chamado de panetone.

Como toda boa lenda, a origem do panetone possui várias versões, mas todas elas têm Toni como denominador comum. A chegada dos imigrantes italianos no Brasil após a II Guerra Mundial trouxe o panetone para o país. A Bauducco diz que o fundador na empresa, o italiano Carlo Bauducco, começou a vender o produto aqui a partir de 1948.

A confecção do panetone clássico na Itália é tão levada a sério que em 2005 passaram a ser especificados por lei os ingredientes e os percentuais mínimos que devem ser utilizados para que o bolo possa ser classificado como panetone. Em entrevista à ANSA, a Bauli, umas das mais tradicionais empresas no ramo de panetones na Itália, explicou que o decreto determina que sejam utilizados “farinha, sal, açúcar, ovos, nata e frutas cristalizadas, cuja quantidade não pode ser inferior a 20%”. Sem frutas – Na Itália, além do panetone, o pandoro também disputa a preferência no paladar italiano durante o Natal. Essa variação, criada em Verona, é similar ao panetone, mas não leva frutas.

No entanto, apesar de serem ambos tradicionais, o panetone acaba sendo o mais procurado. “O panetone é certamente o mais popular”, afirma o confeiteiro Carlo Pozza, da padaria Da Venicio, em Vicenza, na Itália. As “invencionices” brasileiras, como panetones de doce de leite, que fogem do tradicional, também podem ser encontrados na Itália. “Nos últimos tempos, os confeiteiros começaram a oferecer panetones com ingredientes diferentes, como pistache, fruta fresca, limoncello (espécie de licor de limão), chocolate, cerveja ou vinho doce”, disse à ANSA o especialista Davide Polini.

“Esses panetones servem para estimular as vendas, levando a clientela a provar gostos diferentes”, afirmou o mestre confeiteiro Murizio Busi, da Pasticceria Paola, em Ferrara, na Itália. “Mas, em minha opinião, os tradicionais são sempre melhores”, afirmou o mestre, que também faz parte da Accademia Maestri Pasticceri Italiani, associação que reúne importantes expoentes da confeitaria do país. Nos últimos anos, também foram introduzidos no mercado italiano os panetones salgados.

É possível encontrar versões com alcaçuz e açafrão, tartufo, gorgonzola e até mesmo o “panetone pizza”. Lançado em Nápoles, leva ricota doce, flocos de frutas e de chocolate cristalizados colocados sobre a massa tradicional de pizza. O bolo milanês inspirou até mesmo o “Cocktail Panettone”, bebida para os brindes de fim de ano. Industrial x Artesanal – No Brasil, já se pode encontrar há algum tempo panetones artesanais. Algumas padarias, por exemplo, tiram de seus próprios fornos sua produção dos bolos natalinos.

Na Itália, apesar de serem um pouco mais difundidos e apreciados, são os industriais que ganham na preferência dos consumidores. “Em 2008, foram vendidos na Itália 100 milhões de panetones, mas somente 20% eram artesanais”, explica o confeiteiro Iginio Massari, da Pasticceria Veneto, em Bréscia, no norte da Itália.

Por outro lado, o confeiteiro Maurizio Busi acredita que a matéria-prima dos panetones artesanais é melhor. “O frescor, a riqueza dos ingredientes, a personalização e a busca pelos melhores ingredientes, além das habilidades do confeiteiro, fazem toda a diferença”, acredita. O panetone é tão amado na Itália que foi criado o projeto “Panettone tuttol’anno” (“Panetone o ano todo”). Idealizado pelo “gastronauta” Davide Polini, propõe que o panetone seja vendido constantemente.

“Por que só no Natal? O panetone pode ser consumido em todas as estações. Acho um absurdo que se deva comê-lo somente nesta época do ano”, disse. Polini já comeu panetone inclusive no verão, “na praia, embaixo de um guarda-sol, acompanhado de sorvete”. E aqui, será que a moda pega?

1 kg de farinha de trigo peneirada
3 ovos (grandes)
1 copo (americano) de açúcar
1 pitada de sal
2 colheres (sopa) de manteiga ou margarina
250 ml de leite morno
50 g de fermento biológico
300 g de frutas cristalizadas (ou cubos de chocolate)
250 g de uva passa (de preferência sem sementes)
20 ml de essência de panetone (opcional)
raspas de 1 limão

Veja também: panetones lucrativos

O longo caminho de Três Grandes
Pães medievais até o Panetone
“Panetone” vem de Pão de Toni?? De acordo com esta entrada terminológica, Toni, um humilde ajudante de cozinha de Ludovico o Mouro, seria o inventor de um dos doces mais característicos da tradição italiana. Eis a história: na véspera de Natal, o cozinheiro-chefe de Sforza queimou o doce preparado para o banquete ducal. Toni, então, decide sacrificar o pão de levedura-mãe que tinha reservado para o seu Natal. Ele o prepara bastante com farinha, ovos, açúcar, uvas passas e frutas cristalizadas, até obter uma massa macia e muito levedada. O resultado é um sucesso estrondoso, que Ludovico o Mouro chama de Pão de Toni, em homenagem ao criador.

A primazia de Toni não é assim tão pacífica O empreendedor ajudante de cozinha disputa com outros criadores da confeitaria, entre os quais se destacam Ughetto degli Atellani e a Irmã Ughetta. No entanto, o lugar da disputa não é na história e sim no imaginário colectivo: a história de Toni e as outras são lendas criadas entre o fim do século XIX e início do XX para ilustrar ainda mais o que já era orgulho da gastronomia de Milão. Ughetto e Ughetta, entre outras coisas, são nomes ligados à palavra milanesa para uva passa: ughett.

A verdadeira origem do panetone deve ser procurada no costume difundido na época medieval de celebrar o Natal com um pão mais saboroso que o de todos os dias. Um manuscrito tardio do século XV de Giorgio Valagussa, preceptor da casa Sforza, atesta o costume ducal de celebrar o chamado rito do tronco. Na noite de 24 de dezembro colocava-se um grosso tronco de madeira no caminho e, enquanto isso, eram levados à mesa três grandes pães de trigo, matéria prima de grande valor na época. O chefe de família servia uma fatia para todos os comensais, reservando uma para o ano seguinte, como símbolo de continuidade.

Outra realidade histórica sugere a origem do panetone de um grande pão de trigo do Natal: até 1395 todos os fornos de Milão (exceto o pertencente aos Rosti, fornecedor das pessoas com maior poder aquisitivo) tinham permissão de cozinhar pão de trigo apenas no Natal, Como homenagem aos seus clientes habituais. O costume de comer pão de trigo no Natal, no entanto, é muito antiga. Não é de admirar-se, porque muitas outras cidades italianas e europeias compartilham o costume de pão enriquecido na época de festas. No entanto, apenas em Milão se tornou panetone.

Desta longa evolução, algumas fases estão documentadas. Em 1606, de acordo com o primeiro dicionário milanês-italiano (Varon milanes), o Panaton de Danedaa era um Pão Grande, que é feito geralmente no dia de Natal, como Metáfora um inepto [sic], preguiçoso, recente. Francesco Cherubini nos dá uma descrição mais rica no seu célebre Vocabulário milanês-italiano em cinco volumes (publicado entre 1839 e 1856; o terceiro volume M-Q é de 1841). O Panattón ou Panatton de Natal como uma Spe[cie] de pão de trigo decorado com manteiga, ovos, açúcar e uvas passas (ughett) ou sultana, com a adição de amêndoas na massa quando cozida e que resulta com muitas pontas. Grande e de uma ou mais libras, costumamos fazê-lo apenas no Natal, de massa igual ou similar mas em panellini. É feito todos os anos nas festas e é chamado Panattonin – Na zona rural, por outro lado, o Panatton costuma ser de farinha de grão turco e enriquecido com pedaços de maçãs e sementes de uva.

A primeira fonte a falar de levedado, no entanto, é de 1853: o Novo cozinheiro milanês económico, livro de receitas de Giovanni Felice Luraschi. As frutas cristalizadas (de cidra) aparecem no Tratato de cozinha, confeitaria moderna (1854) de Giovanni Vialardi, cozinheiro dos governantes sabaudi. A presença do panetone em um livro piemontês do século XIX prova a antiguidade da difusão deste doce na região escolhida pela Flamigni como sede das suas instalações de produção.

Colorimetria: a Matemática das Cores que Todo Cabeleireiro Precisa Conhecer

Quando o assunto é beleza, sempre buscamos formas de aperfeiçoar técnicas e procedimentos com a finalidade de destacar o que há de melhor em cada um. Engana-se quem acha que isso envolve somente tentativas e suposições. O desenvolvimento de uma técnica de cuidado com a beleza demanda muita pesquisa e conhecimento antes de chegar ao público beneficiado. E é para garantir que o efeito de todo um estudo seja colocado em prática que os profissionais de cada área devem buscar informação em diferentes fontes, bem como uma capacitação frequente.
Falando de saúde e estética dos cabelos, sabemos que os cabeleireiros são os profissionais mais preparados para aplicar diferentes produtos e técnicas, já que possuem as noções reais do que funciona para cada tipo de madeixa. Entre as possibilidades de procedimentos para dar aquela renovada no visual, a coloração é uma das mais procuradas nos salões de beleza. Fazer essa mudança nos cabelos pode até parecer simples, mas envolve todo um conceito e aplicação de uma ciência chamada Colorimetria. Quer entender mais? Então confira tudo sobre essa matemática das cores!
1. Entenda o que é colorimetria
A Colorimetria é uma ciência conhecida em diversas áreas para determinar cores a partir de avaliação de matiz, intensidade e saturação. Para aplicá-la, é necessário o conhecimento aprofundado dos tipos de cores e de como elas se comportam em relação às outras. Quando utilizada para a aplicação nos cabelos, essa ciência é conhecida como Colorimetria Capilar, e serve de base para que o profissional cabeleireiro atinja a coloração adequada nas madeixas dos seus clientes.
Hoje, a Colorimetria é utilizada em diversos salões para a identificação de cores naturais, para combinar adequadamente tons e contrastes e também para fazer processos de neutralização. No círculo cromático, toda cor possui outra oposta a ela, o que faz com que ambas se anulem. Essa estratégia é muito útil para os cabeleireiros, pois permite modificar o tom dos fios somente com a combinação de cores. Essa combinação costuma ser feita com a cor já presente nos fios e um tonalizante, ou até mesmo com duas cores das tintas misturadas sobre os fios descoloridos. Com tantas possibilidades diferentes, conhecer a composição da Colorimetria pode ser determinante para profissionais que querem manter um trabalho bem feito.
2. Por que calcular as cores das tintas de cabelo?
por que calcular as cores das tintas de cabelo
Saber calcular as cores das tintas e prever seus efeitos nos fios é essencial para alcançar bons resultados. O profissional cabeleireiro é o mais indicado para essa tarefa, já que, além de tonalidades, é capaz de identificar diferentes texturas e estruturas de cabelos. Entendendo todos os passos da Colorimetria, o cabeleireiro pode alcançar tonalidades diferentes a partir de uma cor já presente nos fios. Veja as vantagens garantidas pelo cálculo correto das cores das tintas:
Cabelos bonitos e saudáveis
Com o cálculo e a aplicação adequada da Colorimetria, muitos procedimentos químicos são evitados a fim de corrigir a tonalidade. Nesse cuidado, a saúde e a beleza dos fios é garantida por muito mais tempo.
Menores chances de erro
Sabemos que a reputação de um salão de beleza depende totalmente do tratamento dado aos seus clientes e, especialmente, do resultado garantido nos procedimentos. Quanto mais informações puder absorver por meio do estudo e capacitação, menores as chances de o profissional errar na cor e mais satisfeitos ficarão seus clientes em cada trabalho realizado.
Economia de produto
Em alguns salões, as sobras de tinta podem chegar a uma grande quantidade de produto quando somadas, o que seria um desperdício se fossem para o lixo. Sabendo calcular as tonalidades, o profissional tem a possibilidade de aproveitar as sobras de diversos tubos para fazer uma única cor e assim economizar recursos com a compra de novas tintas.
3. Desvendando a composição da colorimetria capilar
Confira a classificação de cores, tons e reflexos e dê o primeiro passo para administrar corretamente as combinações em cada tipo de cabelo:
classificacao das cores

Cores primárias
As cores primárias também são chamadas de fundamentais, já que são necessárias para a criação das demais tonalidades. São representadas pelo vermelho, azul e amarelo, e a soma das três resulta no tom marrom.
Cores secundárias
Também chamadas de complementares, são geradas a partir de três combinações com as cores primárias. As cores secundárias são representadas pelo verde, alaranjado e roxo, onde verde é a junção de azul com amarelo, alaranjado é a junção de vermelho com amarelo, e roxo é a junção de azul com vermelho.
Cores terciárias
As cores terciárias são todas aquelas obtidas a partir da mistura de cores primárias ou secundárias, com diversas possibilidades de combinação. Podem ser usadas para a criação de tonalidades mais claras, como o azul-claro obtido na mistura de verde e azul.
Cores frias
São cores obtidas a partir de tons de verde, azul, roxo, violeta e cinza. Apresentam menor luminosidade e por isso costumam ser utilizadas para diminuir e distanciar formas, gerando sensação de amplitude e profundidade.
Cores quentes
São cores obtidas a partir de tons de vermelho, rosa, amarelo, alaranjado, acobreado e dourado. As cores quentes são classificadas de acordo com o nível de vibração e costumam ser utilizadas para expandir formas, gerando a sensação de proximidade.
Cores neutras
São cores obtidas com a mistura de tons quentes e frios como o vermelho e o cinza, se tornando menos vibrantes e, portanto, pouco visíveis. Por essa característica, costumam ser usadas para criar um fundo para recebimento de outras cores.
Altura de tom
A altura de tom diz respeito ao tom alcançado com a Colorimetria Capilar. Para classificar esses tons, existe uma tabela universal que pode ser utilizada para definir as cores naturais e artificias presentes nos cabelos. São 9 tons que compõem a tabela, indo dos mais escuros até os mais claros:
Altura de tom 1: cor preto azulado
Altura de tom 2: preto
Altura de tom 3: cor castanho escuro
Altura de tom 4: cor castanho médio
Altura de tom 5: cor castanho claro
Altura de tom 6: cor loiro escuro
Altura de tom 7: cor loiro médio
Altura de tom 8: cor loiro claro
Altura de tom 9: cor loiro muito claro
Essa pode ser considerada uma lista geral, já que algumas marcas de produtos costumam trabalhar com até 12 alturas de tom. Nesse caso, o número 10 corresponde ao loiro claríssimo, o número 11 ao loiro ultra claro e o número 12 ao loiro ultra claríssimo.
altura do tom
Nas embalagens de tinta para cabelo, a altura de tom é representada pelo primeiro número impresso na caixa. Como exemplo: se o número encontrado for 6, significa que a altura de tom daquela tintura é loiro escuro.
Cores reflexo (Nuances)
Além da altura de tom, uma tinta também pode apresentar uma cor reflexo. Na embalagem, a cor reflexo é representada pelo número que vem depois do ponto, ou seja, depois da indicação do número de tom. Assim, se uma tintura indica 6.1, significa que o 6 representa o tom loiro escuro e o 1 a cor reflexo. Veja a classificação:
Numeração 1 após o ponto: cor reflexo cinza
Numeração 2 após o ponto: cor reflexo irisado
Numeração 3 após o ponto: cor reflexo dourado
Numeração 4 após o ponto: cor reflexo acobreado
Numeração 5 após o ponto: cor reflexo acaju
Numeração 6 após o ponto: cor reflexo vermelho
Numeração 7 após o ponto: cor reflexo esverdeado
cores reflexo nuances
Algumas marcas também trabalham com duas cores de reflexo em um mesmo produto. Nesse caso, a numeração da tintura apresentará dois dígitos após o ponto, o que correspondente aos dois tons de reflexo. Como exemplo, temos a cor louro acobreado acaju, onde o louro é a altura de tom e os reflexos serão acobreado e acaju. O reflexo que aparece primeiro após a indicação do tom sempre será o mais aparente no cabelo, enquanto que o segundo apresentará apenas algumas nuances.
Volumagem

volumagem
Em cabelos com altura de tom muito escura e no qual o cliente deseja alcançar uma cor mais clara, pode ser necessário um processo de descoloração (água oxigenada e descolorante). Por ser uma química agressiva e, muitas vezes, incompatível com outros procedimentos capilares, ela costuma ser a última opção dos cabeleireiros para clarear a base dos cabelos. Entretanto, é possível recuperar possíveis danos aos fios com tratamentos específicos e cremes reconstrutores, especialmente quando a química e o cuidado posterior são realizados com o mesmo profissional. Veja agora a classificação desses produtos e os resultados possíveis com cada volume:
Água oxigenada 10 volumes: garante pouca fixação da cor da tinta, fazendo com que ela haja como um tonalizante ou banho de brilho.
Água oxigenada 20 volumes: geralmente mantém o tom de base, mas pode chegar a clarear 1 tom.
Água oxigenada 30 volumes: garante o clareamento de 2 a 3 tons, sendo ideal para cabelos com fibras fáceis de clarear.
Água oxigenada 40 volumes: garante o clareamento de 4 a 5 tons, sendo ideal para cabelos com fibras difíceis de clarear.
4. Passos da colorimetria
O estudo da Colorimetria pode ser dividido em quatro passos, que envolvem desde o uso de recursos para a compreensão das cores e suas relações até o cálculo de proporções para chegar ao tom desejado.
Passo 1: Estrela de Oswald
estrela de oswald

A estrela de Oswald é uma ferramenta bastante utilizada por profissionais que trabalham com Colorimetria. Nela, estão dispostas as cores primárias, secundárias e terciárias, de maneira que o observador possa verificar quais se anulam e se neutralizam. Quando duas cores aparecem opostas na estrela, significa que uma delas pode neutralizar a outra. Por exemplo: o azul neutraliza o laranja e vice-versa, portanto, se o cabelo estiver com um fundo muito alaranjado e o profissional quiser anulá-lo para criar uma base neutra, poderá aplicar um tom de azul por cima.
Conhecer e entender a estrela de Oswald é essencial para qualquer cabeleireiro que deseja fixar informações relativas às cores e suas possibilidades na coloração. É a partir desse conhecimento que muitas tonalidades são alcançadas sem gerar grandes danos aos fios. Outro exemplo bem prático da utilização da estrela está na conhecida prática de matização dos cabelos loiros. Nesse caso, a tonalidade amarela das madeixas — muitas vezes indesejada — pode ser neutralizada com a aplicação de uma tinta ou tonalizante roxo, visto que essa é a cor oposta do amarelo. O resultado é um cabelo loiro com tom mais acinzentado e apagado, ou seja, um loiro neutralizado.
2. Fundo de clareamento
fundo de clareamento

O fundo de clareamento é representado por uma paleta de cores, as quais representam possíveis tons a serem alcançados durante o clareamento. Para usar esse recurso, é preciso que o profissional leve em conta os pigmentos naturais das fibras do cabelo, já que nem todos são iguais. A pigmentação natural presente em cada cabelo varia de uma pessoa para outra, sendo influenciada pela genética, alimentação e cuidados gerais com os fios. Existem basicamente dois tipos de pigmentos, e a cor de base final será determinada pela quantidade de cada um presente nas fibras capilares:
Eumelanina
Pigmento presente em cabelos que vão do preto ao vermelho-escuro, portanto, é mais difícil de ser encoberto por outras tinturas. Ao mesmo tempo, a estrutura desse pigmento é granulosa e bastante concentrada, o que torna mais fácil a sua retirada dos fios. Nesse caso, o clareamento ocorre de maneira mais rápida e simples.
Feomelanina
Pigmento presente em cabelos com tonalidades que vão do vermelho intenso ao amarelo, dando origem aos fios de cores claras e médias. Como apresentam tonalidades mais claras, são encobertos facilmente por outras tinturas, geralmente sem a necessidade de aplicar uma segunda camada ou realizar a descoloração. Por outro lado, ao contrário do primeiro pigmento, a feomelanina é mais difícil de ser retirada dos fios. Dessa forma, o clareamento de cabelos mais claros é mais demorado e pode causar mais danos quando comparado às madeixas escuras.
Identificar o tipo de pigmento presente no cabelo garante a aplicação adequada da tintura nos fios, já que o resultado do tom é influenciado pela cor presente na base natural. A partir dessa etapa, cabe ao profissional usar seus conhecimentos de Colorimetria para encontrar a melhor solução e adequá-la ao desejo do cliente.
3. Avaliação e diagnóstico
Nesse passo, são levantadas as características presentes e as características desejadas dos fios. Depois de identificar o fundo de clareamento, o cabeleireiro deve conversar com seu cliente para saber qual a cor a ser alcançada durante o procedimento de coloração.
O diagnóstico é importante porque também leva em conta a estrutura do fio, permitindo ao profissional escolher uma técnica que seja compatível com o tipo de cabelo. Uma pessoa que chega ao salão com os fios muito sensíveis e danificados não pode passar por um processo de descoloração. Nesse caso, o acompanhamento de um profissional é fundamental para a aplicação da Colorimetria em busca da tonalidade mais próxima do desejado.
4. Matemática da colorimetria
Esse é o passo onde a Colorimetria é aplicada, quando os profissionais escolhem o tipo de tinta de acordo com o fundo de clareamento e a tonalidade desejada para o cabelo do cliente. A partir da soma de duas cores — a presente no cabelo e a da tintura — o cabeleireiro consegue neutralizar a base para então aplicar o tonalizante ou tinta com a cor que tingirá os fios.
5. Conheça a matemática da colorimetria
matematica da colorimetria
Para garantir bons resultados com a Colorimetria, é essencial que o cabeleireiro saiba aplicar cálculos exatos na mistura de seus produtos. Na busca do tom ideal, são usadas operações simples da matemática, como adição e divisão. Entenda como fazer:
Calculando os tons de base
Alcançar um bom tom de base é um passo importante para que a cor aplicada em seguida fique o mais próximo possível da indicada na embalagem. Para conseguir isso, muitos cabeleireiros costumam juntar diferentes cores para alcançar uma única tonalidade. Digamos que alguém queira chegar a um tom loiro escuro, ou seja, de numeração 6.0 conforme a classificação das cores de tom. Para isso, é possível misturar castanho claro, loiro escuro e loiro claro, respectivamente, alturas de tom 5 + 6 + 8. A soma da numeração dessas três cores dá 19, que será dividido pela quantidade de cores misturadas: 19/3 = 6,3333333 (esse 3 no final não corresponde a cor de nuance e sim ao resultado de dízima periódica). A forma mais utilizada é a soma de duas cores de base para se obter uma, por exemplo, 8+4 = 12/2 = 6. Nesse caso, a numeração resultante corresponde ao loiro escuro conhecido como 6.0. Para definir o tom de reflexo pode ser usado os intensificadores ou “cores fantasias” (cinza, dourado, irisado, mate, cobre, dentre outras) de acordo com o tom desejado pela cliente. E lembre-se, para obter uma cor exata ou próxima da realidade as misturas devem ser em quantidades iguais.
6. Dicas para usar a colorimetria no dia a dia
dicas para usar a colorimetria no dia a dia
Por ser uma ciência bastante ampla, a Colorimetria sempre traz algo diferente para quem quer aprender novas formas de aplicar e combinar cores. Sendo assim, além do estudo e capacitação constante, é preciso que os profissionais estejam preparados com dicas e informações sobre o uso dessa matemática da beleza. Veja como melhorar a experiência do trabalho com a Colorimetria e garanta bons resultados:
Lembre-se dos números que correspondem às cores
Assim como todo estudo tem sua parcela de decoreba, é importante que profissionais empenhados em usar conceitos da Colorimetria saibam a numeração de cada cor presente nas tabelas. Com essa informação fixada, fica mais fácil calcular os tons que serão aplicados nos cabelos dos clientes. Cuidado para que a divisão seja sempre feita de acordo com a quantidade de cores misturadas, pois assim o resultado será sempre certeiro.
Use tintas e tonalizantes de qualidade
Tinturas de qualidade e dentro do prazo de validade são essenciais para garantir uma tonalidade bonita e fiel às expectativas. Sendo assim, tome cuidado com a armazenagem desses produtos, observando sempre as condições antes de aplicar nas misturas. Um simples tubo de tinta vencida pode comprometer totalmente a cor da combinação, e você não gostaria de ser pego de surpresa dessa maneira, não é?
Faça teste de mecha
O mercado de tintas capilares está sempre cheio de novidades, com produtos que prometem resultados cada vez melhores. Porém, saiba que se aventurar nessa variedade pode ser perigoso se você não souber comparar as cores de novas mercadorias com as que já conhece. De uma marca para outra, é muito comum existirem diferenças perceptíveis de tonalidades, portanto, faça teste de mecha toda vez que resolver usar um produto novo. Esse cuidado também é valioso para descartar qualquer possibilidade de reação alérgica nos seus clientes.
Pratique sempre
Como dizem por aí, a prática leva à perfeição. É por isso que, antes de ser um bom profissional, você precisa experimentar, testar e até errar várias vezes. É com o erro que você avalia pontos bons e ruins e seleciona somente o que é positivo para seu trabalho. Claro que ninguém quer aplicar uma mistura errada no cabelo do cliente, então, como fazer? Uma boa dica é começar com fios sintéticos e depois passar para os naturais. Você pode praticar com mechas descartadas durante os cortes no salão e fazer a mistura de cores para observar o resultado. Passado um bom tempo da prática, você fará os cálculos rapidamente e sem muito esforço.
Na busca da estética perfeita, a junção de conhecimentos novos e antigos tem sido uma boa saída para os profissionais que cuidam da saúde dos cabelos. A informação é a base de tudo, e está presente nos mais diversos lugares em forma de cursos, palestras, revistas e também na internet. Ao cabeleireiro mais ousado, cabe a vontade de aprender cada vez mais e aproveitar os recursos disponíveis para a realização de um trabalho coerente e digno de admiração.

A Importância do Reforço Muscular para Corredores

É comum entre os corredores o desgosto por academia e musculação. Para a maioria pode parecer massante ter que ficar em um ambiente fechado, já que a corrida nos proporciona o bem estar trazido pelo ar livre.
Mas isso é um fato que deve ser revisto para quem corre. O reforço muscular é uma prática que deve ser intercalada aos treinos de corrida. E nesse artigo explicaremos o porquê!
Durante o passar dos anos o nosso corpo tende a sofrer perdas em três pontos principais: resistência, elasticidade e musculatura.

Ao correr garantimos a nossa resistência, já que esta prática melhora o funcionamento do nosso sistema cardiovascular e traz aumento em nossa oxigenação, além de garantir a boa forma física. A nossa elasticidade pode ser mantida por sessões de alongamentos, RPG, Pilates ou Yoga (um outro assunto que abordaremos mais tarde em nosso site). E a nossa musculatura? Pois bem, a corrida nos traz resistência, mas do que adianta ter um fôlego exemplar sem que o nosso corpo tenha a força necessária para nos manter durante o treino? A resposta pode estar justamente no reforço muscular.

Durante a corrida entramos em um estado “automático”, pois na maior parte do tempo do treino movimentamos nossos grupos musculares da mesma forma. Isso nos deixa despreparados para uma movimentação surpresa que exija uma resposta rápida e precisa dos nossos músculos, como desviar de alguma coisa, dar um salto ou qualquer movimento inesperado. Imprevistos, como a mudança repentina de terreno, podem acarretar em lesões. E esse é um dos principais pontos positivos do condicionamento muscular com o mizuno prophecy.

O fortalecimento dos nossos músculos nos deixará preparados para qualquer eventualidade durante o treino. Essa prática proporcionará uma melhor resposta dos nossos ossos, músculos e articulações. Salvo em caso de fadiga muscular por excesso de exercício, trabalhar nossa musculatura ajudará a prevenir lesões tão comuns em corredores. (Quer saber mais sobre lesões adquiridas durante a corrida? Acesse nosso artigo clicando aqui!).

Outro ponto positivo é a melhora da qualidade do nosso treino. Sem uma musculatura preparada nosso corpo pode não responder adequadamente ao nossos esforços durante a corrida. Fortalecer os músculos nos trará força e potência, melhorando o nosso desempenho durante a corrida e trazendo melhores resultados em tempo e distância.

Além de evitar lesões e potencializar nosso rendimento, a prática da musculação nos agrega outros pontos positivos, como a melhora da nossa postura durante a corrida e nos proporciona mais conforto durante o treino, reduzindo aquelas fisgadas ou fadigas musculares. Treinar sem tanto sofrimento pode ser um dos desejos mais sonhados para quem corre, e a resposta pode estar no fortalecimento muscular.

Dicas de exercícios para corredores

Alguns exercícios são mais específicos para quem pratica corrida. Pois além de obter as vantagens que o aprimoramento muscular traz aos corredores, o ponto alto é trabalhar para que se possa adquirir corretamente uma ampliação do sistema locomotor.

Mulher-Correndo

Com este foco, a recomendação está na prática de exercícios multiarticulares, ou seja, exercícios que trabalham mais de um grupo de músculos e articulações ao mesmo tempo. Para quem corre este tipo de treino é o ideal, já que o objetivo é a melhora muscular geral e não a hipertrofia de músculos específicos.

E aqui indicaremos os mais recomendados para corredores:

Agachamento livre: este exercício trabalha os grupos musculares das coxas e glúteos.

Afundo (mergulho): além de trabalhar o quadríceps (coxa) e glúteos, tem como foco secundário os músculos posteriores e adutores da coxa.

Como complemento indicamos o Salto Horizontal, este exercício garante a eficácia de movimentos que evolvem explosão muscular, trabalhando as coxas e panturrilhas. Além disso ajuda no fortalecimento das articulações dos pés e joelhos.

Muitos corredores focam apenas nos membros inferiores deixando de lado exercícios que trabalham a parte superior. Um erro. Exercitar nossos membros superiores também trará vantagens para o treino de corrida. Esta prática atuará diretamente em dois pontos essenciais para corredores: estabilidade e postura. Pode não parecer, mas quando corremos também exigimos grande esforço dos nossos ombros e costas. Para isso indicamos alguns exercícios.

Supino Reto: trabalha peitoral, ombros e tríceps.

Remada Alta: reforça ombros e trapézio.

Flexão de braços: além de trabalhar os músculos dos braços e peitoral, este exercício é um dos que nos oferecerá melhores condições para adquirir uma postura correta, fator essencial para um bom desempenho durante a corrida.

Frequência de treinos: musculação e corrida

Tudo em excesso faz mal, inclusive exercícios físico. A recomendação é intercalar os treinos de musculação com os treinos de corrida, evitando que os pratique no mesmo dia. Para iniciantes, tanto em corrida como em musculação, o ideal é que haja um período de adaptação de 4 semanas com treinos leves e de pouca intensidade e só assim partir para práticas que exijam mais esforço com o mizuno prophecy.

Claro que são dicas. Cada um de nós possuímos particularidade e necessidades específicas. Portanto o ideal é que sejamos acompanhados por profissionais que irão nos auxiliar durante os treinos. Em especial na musculação, pois a prática destes exercícios de forma incorreta pode acarretar em lesões bastante sérias.

E ainda cabe salientar que todo o nosso treino deve conciliar com uma boa alimentação e hidratação. Repor nutrientes e líquidos perdidos durante os exercícios de fortalecimento muscular e corrida nos trará melhores condições para praticá-los.

Conclusão

Correr é uma prática que não só oferece incontáveis vantagens para a nossa saúde, mas que atua diretamente em nosso bem estar. Conseguir resultados mais eficientes não está ligado apenas a nossos esforços durante o treino. Nosso corpo precisa de condições especiais para que possamos alcançar nossos objetivos como corredores. E o reforço muscular oferece grande parte do que necessitamos para uma melhor performance em nossas corridas.

Como Cuidar de Orquídeas? – O que eu fiz para conseguir ter lindas orquídeas?

Você deseja descobrir como cuidar de orquídeas da maneira certa? Então, leia todo esse artigo, não leva nem 7 minutos. O que você vai aprender aqui, absolutamente, vai garantir que você tenha maravilhosas orquídeas.

Continue lendo e fique à vontade em deixar um comentário em caso de dúvida.

Vamos lá!

Orquídeas estão entre as mais linda flores do mundo e isso acaba contribuindo para o aumento de cada vez mais adeptos do plantio e cultivo dessas flores angelicais.

É por isso que você está aqui, não é? Porém, não é nada fácil cultiva-las.

Se você ainda não sabe, existem mais de 700 gêneros de orquídeas e mais de 250.000 híbridas (cruzamento entre espécies diferentes). É muita flor!

Como existem muitas espécies diferentes, cada uma merece cuidados especiais para serem cultivadas.

Pensando nisso, eu comprei a um tempo atrás, um e-book completo, que ensina como escolher a espécie de planta adequada para cada situação, que pode influenciar no cultivo da flor – seja o tamanho da sua casa, até o clima da região onde você reside.

O ebook é o Manual Passo a Passo Como Cuidar de Orquídeas. As donas de casas e amantes de orquídeas, assim como eu, estão adorando o e-book, mais abaixo eu vou deixar o depoimentos de algumas delas para você.

E consegui um desconto com o autor do e-book. Você pode clicar no botão aqui abaixo ou no link que vou deixar no final desse artigo.

Mas, continuemos.

Agora eu vou te dar algumas dicas que aprendi com esse e-book. Então, se você quiser lindas orquídeas, não saía daí.

Como Cuidar de Orquídeas

Dicas que aprendi com o e-Book “Como Cuidar de Orquídeas”.
Agora você vai aprender como cuidar de orquídeas da maneira correta.

Por isso, peço que continue comigo.

Escolha a orquídea certa para a sua casa

O primeiro passo é escolher o planta certa para a sua casa. Parece obvio, mas não é.

Existem algumas espécies de orquídeas, chamadas de epífitas, que devem ser plantadas em troncos de árvores, já outras orquídeas atingem tamanhos extraordinários, além de outros fatores muito importantes, como a temperatura do ambiente, por exemplo.

Veja o vídeo abaixo, ele aborda justamente isso:

Esses e muitos outros fatores acabam impossibilitando o cultivo de algumas espécies dentro dessas circunstâncias, sendo assim, tornam-se inviáveis de se cultivarem dentro de casa.

Mas existem dezenas de outras espécies que podem e devem ser cultivadas dentro de casa ou em outros espaços particulares.

Então, esse é um ponto que deve ser levado em conta.

Tente comprar orquídeas com flores

Na hora de escolher a sua orquídea, escolha preferencialmente orquídeas que já tem flor ou que estejam florescendo.

O motivo é simples: algumas espécies levam até cinco anos para florescer, já outras florescem uma vez por ano. Então, você precisa de espécies que se mantenham com lindas flores por um longo período de tempo.

Por isso, vale prestar atenção nisso também.

Aprenda a regar suas orquídeas

Regar orquídeas. Esse é um dos pontos que mais contribuem para o fracasso no cultivo da flor.

Saiba que falta de água é menos prejudicial do que excesso no cultivo de orquídeas.

Para saber quando se deve rega-las é muito simples. Basta utilizar o seu dedo para verificar a quantidade de umidade, no vaso ou na casca de árvore, mas verifique além superfície, cave um pouco e verifique se há umidade mais a fundo.

Se tiver úmido, não regue, mas se estiver seco, regue.

Faça a poda da maneira certa

Você deve podar a orquídea com os equipamentos certos, da maneira certa e na época certa.

A época de poda varia de espécie para espécie, mas muitas delas seguem um mesmo círculo, nos quais é mais propenso a realização desse procedimento.

Todas essas dicas, podem contribuir para um bom manejo no cultivo das orquídeas.

E tudo isso eu aprendi lendo o e-book de Como Cuidar de Orquídeas.

Se você quiser saber um pouco mais sobre como cultivar uma orquídea, continue comigo.

Conteúdo do Manual de Como Cuidar de Orquídeas
Se você estiver realmente querendo saber como cuidar de orquídeas da maneira certa, você não pode deixar de conferir esse e-book.

Lá você vai encontrar tudo e mais um pouco sobre o cultivo dessas lindas flores. Eu gostei bastante e ele está me ajudando muito.

Como Cuidar de OrquídeasVeja um pouco do conteúdo:

Como evitar e acabar com doenças;
Como identificar o melhor tipo de orquídea para você;
Como fazer o envasamento e montagem correta;
Como as orquídeas se comportam durante as 4 estações;
Calendário de floração anual;
2 Bônus exclusivos;
E muito mais;
Tem muito mais coisas no livro, mas se eu for falar tudo aqui, vai tomar metade do texto.

Você pode clicar aqui (ou abaixo) e ir direto para a página oficial do produto, lá você vai ver o conteúdo presente no livro, para ver tudo é só rolar a página.

E como prometido anteriormente, agora você vai ver alguns casos de sucesso.

Pessoas que conseguiram cultivar suas orquídeas com sucesso, graças ao e-book Como Cuidar de Orquídeas.

Depoimentos
Veja agora alguns casos de sucessos no cultivo de orquídeas:

Manual de Como Cuidar de OrquídeasComo adquirir o Manual?

Antes queria agradecer por chegar até aqui, ler esse tanto de texto não é fácil.

Isso mostra que você realmente quer ter sucesso no cultivo de orquídeas, certo?

Isso é muito bom.

Para adquirir o manual e muito fácil, basta clicar aqui ou no final desse artigo e você irá para a página oficial do autor.

Depois é só clicar em “Quero Garantir o Acesso” e você irá para a página de desconto que te falei. Em seguida você pode preencher todos os seus dados corretamente e pronto.

E se certifique de colocar um e-mail válido, é através dele que você irá receber os dados para baixar o manual.

Garantia
Além de tudo isso você ainda tem uma garantia incondicional de 7 dias, ou seja, se você não gostar o manual, ou achar que ele não é pra você, basta enviar um e-mail pedindo o seu reembolso. Simples assim.

Minhas maravilhosas orquídeas
Antes, eu tinha muita dificuldade em plantar orquídeas. Sempre que plantava morriam, o máximo que consegui foi manter uma por pouco mais de 2 meses, só isso.

Mas depois que eu comprei o manual de Como Cuidar de Orquídeas, minhas orquídeas estão maravilhosas. Espero que você consiga também.

Se quiser realmente cultivar suas orquídeas pode clicar abaixo e você irá para a página do manual com o desconto que consegui apenas para os leitores do meu site.

Qualquer dúvida, deixe um comentário.

Até breve e muito sucesso!

Pilates

O que é Pilates? Tudo o que você precisa saber
O que é Pilates?

Pilates é um conjunto de exercícios criados pelo alemão chamado Joseph Pilates, em meados de 1920, que são realizados nos Solo ou em Equipamentos exclusivos, que visa o total e completo controle e conexão entre corpo e mente, devolvendo e restaurando a saúde de indivíduos em condições patológicas assim como promovendo um aumento da qualidade de vida para indivíduos saudáveis.

Para ajudar você a compreender melhor sobre esse Método que vem crescendo cada vez mais no Brasil, nós reunimos as principais informações sobre o que é Pilates, sobre quem foi Joseph Pilates, além de reunir vários exercícios e vídeos que você pode utilizar no seu Studio com seus alunos.

O Pilates é um campo em ascensão no Brasil e no mundo. Só no Brasil, temos atualmente em torno de 35 mil Studios em crescimento. Introduzido no país no começo da década de 2000, o Pilates ainda soa como novidade para muita gente, mesmo já tendo milhares de adeptos brasileiros.

Conforme a prática avança pelo país, com público crescente, ela se torna um nicho interessante para profissionais da área de Educação Física e Fisioterapia.

Já pensou que o Pilates com o Corpo de 21 pode dar um novo gás à sua carreira ou alavancar seus negócios?

Por ser relativamente novo, o Pilates ainda desperta muitas dúvidas, inclusive nos profissionais. É por isso que preparamos este artigo: para quem gostaria de conhecer mais sobre essa técnica criada por Joseph Pilates. Para quem nunca praticou, os exercícios de Pilates surpreendem pela suavidade, porque não têm alto impacto como outras atividades físicas.

Mesmo assim, o Método garante condicionamento físico e pode ser usado para a reabilitação física ou como alternativa fitness. A principal vantagem da prática é que ela é acessível a todas as pessoas, desde um atleta de alto rendimento até idosos com mobilidade reduzida.

Com mais de 500 tipos de exercícios que podem ser praticados nas mais variadas intensidades, o Pilates é acessível a qualquer pessoa porque respeita as capacidades (e as necessidades) individuais, acima de tudo.

Nenhum movimento é feito de forma automática ou passiva, mas, sim, com consciência, precisão e rigor técnico. É por isso que pode ser um ótimo negócio, já que o público é bem amplo e diversificado.

Assim, muitos textos são veiculados constantemente na internet sobre o Método Pilates e a sua prática, mas a veracidade dos fatos as vezes não pode ser comprovada. Sem mais delongas, veja no sumário abaixo tudo que você vai encontrar nesse Guia Completo sobre O que é Pilates.

O que é Pilates? Talvez essa seja a pergunta mais importante deste texto, afinal nada mais faria sentido se não deixássemos explícito o que é o Pilates e todos os benefícios que ele nos possibilita.

Antes de tudo, o Método Pilates foi originalmente criado com o nome de Contrologia, pois consistia em um controle da mente sobre todos os membros e músculos do corpo.

Todos os exercícios tem por objetivo fortalecer a musculatura estabilizadora profunda do abdômen, promover mobilidade para as articulações, reeducação do movimento, consciência corporal, melhora da postura e músculos saudáveis (alongados e tonificados).

Os movimentos realizados durante o Pilates proporcionam um alongamento e fortalecimento que podem parecer simples, mas agem no corpo de forma integrada e individualizada.

O Método se qualifica como uma das melhores opções de exercícios, pois dentre seus benefícios está a melhora na respiração, a diminuição do stress e a reeducação e o equilíbrio corporal.

Ele também melhora a coordenação motora e a mobilidade articular, proporcionando então a prevenção de lesões em indivíduos saudáveis.

Pilates é o tratamento mais utilizado para as patologias da Coluna, pois atua na musculatura estabilizadora profunda do abdômen (especialmente o músculo transverso abdominal) e promove mobilidade articular para a coluna vertebral de forma segura e sem sobrecarga.

O Pilates também é uma ótima opção de atividade física para atletas profissionais, pois toda a aula de Pilates prioriza o fortalecimento e flexibilidade muscular associado ao movimento correto e consciente. Para os sedentários é ótimo, visto que os aparelhos possuem molas que auxiliam na execução do movimento.

Voltando aos atletas, ele é muito aconselhado, principalmente para os que já possuem lesões, pois o Pilates com o Corpo de 21 torna a recuperação mais rápida, além de promover um melhor desempenho e futuramente diminuir os riscos de novas lesões.

O Pilates trabalha com poucas repetições e por isso, há um maior controle dos movimentos, promovendo sempre um movimento consciente em cada exercício que é realizado.

O Pilates também pode ser praticado por pessoas de todas as idades, com uma grande variedade de patologias, tais como: problemas ósseos e musculares (osteoartrose por exemplo), e até dores crônicas, pois realizar exercícios de pouco impacto, com poucas repetições e executados com qualidade em vez de quantidade geram resultados eficazes e assim os músculos e articulações sofrem menos desgastes.

No entanto, é imprescindível que a aula seja acompanhada por profissionais especializados, que prestem atenção no seu aluno e possuam uma boa formação em Pilates, além de ter em mente os limites e as necessidades de cada um.

Palpitações do coração e menopausa: o Que você precisa saber

Palpitações do coração e menopausa: o Que você precisa saber

As mulheres podem preocupar-se sobre a menopausa, por diferentes razões.
Alguns podem ver isso como um marco significativo, chegando até o fim da idade fértil. Outras pessoas podem preocupar-se com sintomas bem conhecidos, tais como ondas de calor e suores noturnos.
Outros sintomas comuns podem incluir a secura vaginal e desconforto durante a relação sexual, dificuldade para dormir, baixa de humor ou de ansiedade, diminuição da libido e problemas com a memória e a concentração.
Palpitações do coração, não se fala muito e são propensos a ter muitas mulheres no sobrevivendo a menopausa por surpresa. Eles podem ocorrer devido a alterações hormonais durante a menstruação, a gravidez e a menopausa e muitas vezes são temporários.
Quais são as palpitações do coração?
Palpitações do coração também são chamados de batimentos cardíacos irregulares ou arritmia. Estas são as pulsações que, de repente, é mais perceptível do que regular as pulsações.
Durante uma palpitação, o coração pode libra, vibração, raça, ou bater de forma irregular. Palpitações são de vida curta, durando apenas alguns segundos ou, no pior, uma de alguns minutos.
Palpitações podem parecer alarmantes, mas muitas vezes elas são inofensivas e não sinal de um problema sério, necessariamente. No entanto, as pessoas ainda deve ver um médico se eles ocorrerem.
Causas da menopausa, palpitações do coração
Uma mulher que, por vezes, sente o seu coração acelerado ou perder uma batida poderia ter menopausa palpitações do coração. Este é um sintoma comum de perimenopausa.
A perimenopausa é o período de tempo antes da menopausa, o que, por sua vez, é quando uma mulher não tem um período de 12 meses. Depois, a mulher disse para estar no postmenopause fase.
Palpitações do coração são um resultado direto de baixar os níveis do hormônio feminino estrogênio, o que leva a uma superestimulação do coração.
Tal queda na produção do hormônio pode ser associada a um aumento na freqüência cardíaca e freqüência de palpitações, e não com risco de arritmias.
Quando consultar um médico
Enquanto tais palpitações são geralmente inofensivas, que não deve ser ignorado.
Uma mulher vítima de palpitações é fortemente aconselhado a consultar um médico para um diagnóstico e para a regra de quaisquer anomalias.
Os médicos, em particular, deseja investigar se as palpitações são ligadas a uma falta de ar, tonturas, ou desconforto no peito.
A menopausa palpitações do coração pode aumentar coração taxas de 8 a 16 batimentos por minuto. Algumas mulheres, no entanto, relataram maior aumenta, com o coração taxas de chegar até a 200 batimentos por minuto.
Após a menopausa as mulheres que experimentam a batimento cardíaco irregular são muitas vezes tratados com o uso de métodos naturais. Quando os problemas são causados pela redução dos níveis de estrogênio, o tratamento pode envolver mudanças de estilo de vida e remédios naturais combinados.
Algumas mudanças de estilo de vida podem ajudar a reduzir a ocorrência de menopausa palpitações. Eles incluem:
reduzir a ingestão de cafeína por beber menos café e outras cafeína-pesado de bebidas
reduzir ou evitar estimulantes, tais como cigarros e álcool
praticar técnicas de relaxamento, tais como ioga, atenção, e exercícios de respiração
O risco de doença cardíaca e menopausa
De acordo com a Fundação Britânica do Coração (BHF), as mulheres, em geral, têm um menor risco de ser afectado por doença cardíaca coronária (CHD) antes da menopausa. Depois disso, o risco de doença coronariana aumenta e continua a subir.
As mulheres experimentam sintomas desagradáveis podem ser prescritos terapia de reposição hormonal (TRH) para o ajudar a aliviar estes.
No passado, pensava-se que a HRT teve o benefício adicional de ajudar a proteger as mulheres contra a doença arterial coronariana. No entanto, pesquisas mais recentes sugerem que isso não é assim.
Além disso, o BHF manter algumas formas de TRH pode aumentar ligeiramente o risco de dac e avc.
Da mesma forma, a mesma terapias podem aumentar o risco de trombose venosa profunda (TVP) e embolia pulmonar (PE). Este é particularmente o caso no primeiro ano de tomar THS.
É importante lembrar, no entanto, que a TRH pode ser altamente eficaz para aliviar os sintomas da menopausa. De fato, para a maioria das mulheres após a menopausa, especialmente as pessoas abaixo dos 60 anos de idade, os benefícios da TRH superam os riscos.
Não há one-size-fits-all solução, é claro. Cada mulher é diferente, e é por isso que é importante falar com seu médico sobre se a TRH é apropriado.
O risco de doença cardíaca sobe para todo o mundo, à medida que envelhecem. Mas para as mulheres, há um aumento acentuado após a menopausa. Por isso, é vital para fazer todo o possível para manter o coração saudável. A boa alimentação tem um papel importante a desempenhar aqui. Comer muita fruta, legumes, peixe e aves são tudo de bom. As pessoas também devem evitar colocar sobre excesso de peso, como ele pode adicionar esforço do coração e ajudam a empurrar a pressão arterial.
No entanto, há mais para se manter saudável de incluir somente a nutrição e a manutenção de um peso saudável.
A depressão e o coração
Pesquisa relatada pela North American Menopause Society sugere que uma história de depressão é outro fator de risco para doença arterial coronariana (dac) e pode ser baseado em uma idade da mulher. Ele mostrou as mulheres com menos de 65 anos de idade são mais susceptíveis de desenvolver CAD, devido à depressão, que mulher mais velha.
Enquanto os cientistas ainda têm que descobrir exatamente por que a depressão e doenças do coração estão ligados, é sabido que a depressão aumenta a produção de hormônios do estresse no corpo.
Esses hormônios, incluindo a adrenalina e o cortisol, pode fazer o coração taxas de velocidade e pressão sanguínea subir.
As pessoas que estão deprimidas podem melhorar a sua saúde e a saúde do seu coração com o tratamento. Isso pode estar começando uma forma de auto-mecanismo de enfrentamento, buscando a terapia médica, ou ambos.
Nacional de Saúde da Mulher Centro de Recursos de sugerir o seguinte como boa mecanismos de enfrentamento:
evite ser demasiado duro consigo mesmo
manter-se ativo
conviver e estar com os outros
definir metas atingíveis
Se uma mulher está atravessando a perimenopausa, e ela está apresentando sintomas que envolvem o coração, estas humor-atividades de içamento podem ser de uso.
Outras ideias para o levantamento de um humor incluem:
ouvindo alguma música favorita
ser espontâneo
enrolando-se com um bom livro
de se sentar para assistir a uma comédia ou um filme na TV
brincar com um animal de estimação
Qualquer pessoa que se sente como se eles podem ser comprimidos deve falar imediatamente com o seu médico ou outro profissional de saúde.
Escrito por Ian Franks
Contacte a nossa editores de notícias
Para fazer correções de informações factuais, ou para contactar a nossa equipa editorial, por favor, consulte nossa página de contato.
Por favor, note: Qualquer médico informações publicados neste site não pretende ser um substituto para o médico informado conselhos e você não deve tomar qualquer ação antes consultar um profissional de saúde. Para mais informações, por favor, leia nossos termos de uso.
Copyright Medical News Today: a Exclusão de e-mail/serviços de compartilhamento explicitamente oferecidos neste website, o material publicado no Medical News Today não pode ser reproduzido ou distribuído sem a permissão prévia por escrito da Medilexicon International Ltd. Por favor, contacte-nos para mais detalhes.
A obesidade pode levar a mais grave afrontamentos e outros sintomas da menopausa
Sintomas vasomotores (VMS), tais como ondas de calor e suores noturnos, causa desconforto sério em muitas mulheres a menopausa. Estudos mostram uma maior frequência de VMS em mulheres que o ganho de peso durante a postmenopause período, e o efeito da obesidade sobre VMS tem sido estudado por muitos anos. Um novo estudo descobriu que as ondas de calor estão associadas com um maior índice de massa corporal (IMC). Os detalhes foram publicados on-line hoje na Menopausa, o journal of the North American Menopause Society (NAMS).
O estudo de 749 mulheres Brasileiras com idade entre 45 a 60 anos, mostrou que mulheres obesas sofreu conseqüências mais graves das ondas de calor, o que fez com que eles parem de determinadas atividades e também diminuição da sua eficiência de trabalho. O suporte de dados chamado de termorregulação teoria que propõe que o IMC está positivamente associado com o VMS porque o corpo-o tecido adiposo atua como um forte calor do isolador. O isolamento faz com que a distribuição de calor mais difícil, o que faz com que as mulheres obesas sofrem mais flashes quentes. As associações entre o aumento do IMC e outros sintomas do sobrevivendo a menopausa, tais como articular e muscular e dor mais intensa, problemas urinários, também foram confirmados.
O artigo, “a obesidade aumenta o risco de ondas de calor entre mulheres de meia-idade? Um estudo de base populacional”, relata sobre a correlação entre os sintomas da menopausa e obesidade, e a dados apresentados de justificar a associação entre um IMC alto e ondas de calor. Estas constatações reforçam a importância de uma abordagem multifacetada para o controle de peso em mulheres na menopausa. Além disso, os resultados enfatizam a necessidade de se criar estratégias de saúde para minimizar o efeito da obesidade sobre os problemas de saúde em mulheres após a menopausa.
“Este estudo apoia-se em estudos anteriores descobriram que as mulheres que são mais pesados tendem a ter mais ondas de calor, especialmente perto da menopausa”, diz o Dr. JoAnn Pinkerton, NAMS diretor executivo. “Em alguns estudos, mas não todos, perda de peso e exercício têm sido mostrados para reduzir as ondas de calor em mulheres que são obesas, dando, assim, as mulheres ainda mais razão para criar um estilo de vida mais saudável para si mesmos.”

Como Escrever um Livro

Como Escrever um Livro

Qualquer um que tenha uma história pra contar pode escrever um livro – seja para o próprio divertimento ou para que várias pessoas o leiam (e com sorte, o comprem). Se você se vê criando narrativas em sua cabeça enquanto lê seus romances favoritos, ou quando está dando uma volta pelo parque, experimente escrever essas histórias. Ainda que pareça ser desafiador, você consegue fazê-lo. Nós iremos lhe dar algumas dicas para você começar.

Compre um caderno. Ou vários. Enquanto você pode querer digitar seu livro diretamente no computador, pode não ser possível ter um por perto quando a inspiração aparecer. Assim, é bom ter por perto aquela velha caneta e papel onde quer que você esteja.
Um caderno de capa de couro é mais robusto, enquanto que um caderno simples em espiral mesmo que não seja robusto, é fácil de manter aberto.

Ponha sua cabeça pra pensar. Agora que você tem um caderno, é hora de enfrentar o bicho-papão de todos os escritores: a primeira página. Use as primeiras páginas para criar uma visão global de sua história incluindo um esboço, notas sobre as personagens, (possíveis nomes, descrições, histórias passadas, etc.), lugares, época – todas as pequenas coisas que entram em uma grande história. Existem muitas vantagens nesse tipo de visualização, observe.

Você sempre terá algum material para usar como referencia quando ficar sem ideias. E é bom criar seu manul de dicionario, como algumas palavrinhas bonitas e difíceis que já procurou o significado no dicionario para enriquecer seus textos, se assim desejar.

Crie a visão geral de sua história; incluindo um esboço, notas sobre personagens (possíveis nomes, descrições, “histórias de volta”, etc.), os lugares, a era em que a história ocorrerá. Existem várias vantagens para esta abordagem mais panorâmica.

Isso irá lhe dar novas ideias para sua história enquanto você descreve diferentes partes dela.
Nada vai para o lixo. Você pode descrever um personagem, por exemplo, que nunca aparece na história diretamente, mas que influencia diretamente outro personagem.

Faça uma tabela e escreva todos os personagens que possuem um significado especial na história. Use seu caderno para escrever muito sobre eles. Crie uma história passada para alguns deles. Isso ajudará você a visualizar e até mesmo aprender sobre o seu próprio personagem mais.
Desse modo, você sempre terá algo para citar quando você ficar sem ideias imediatas.

Crie o seu esboço. Um esboço irá ajudar você a definir o arco de sua narrativa – o início, o desenvolvimento da trama e dos personagens, a criação dos eventos principais que levarão ao clímax, e então o desfecho.

O início da história é geralmente a parte mais difícil – se você quiser que seja assim. A melhor coisa a se fazer é começar o mais amplamente possível. Digamos, por exemplo, que você quer escrever um romance de mistério, e que você é um fã da segunda guerra mundial. Escreva isso: Mistério, Segunda Guerra Mundial. A beleza dessa técnica é que ambas as categorias são amplas, mas simplesmente ao colocá-las lado a lado, você instantaneamente restringe o campo de possibilidades. Você agora tem, no mínimo, uma época, e um ponto central. Alguma coisa misteriosa aconteceu durante a Segunda Guerra. Tente se concentrar um pouco mais.

Você pretende criar uma história íntima, ou de contexto geral? A segunda guerra certamente foi ambos. Por exemplo, digamos que seja a história de um soldado.

Em que época ela se passa? Na época da segunda guerra, lógico, já que é a história de um soldado desse período – ou não? Esse é um dos momentos decisivos que irá decidir o seu trabalho. Digamos que sua história se passe na época atual. Imagine o cenário: Seu personagem principal encontra um diário – o diário do avô da segunda guerra mundial. Isso é uma grande revelação, já que seu avô nunca voltou da guerra, mas ninguém sabe o que aconteceu, já que o corpo nunca foi encontrado. Talvez, nesse diário, o seu personagem irá descobrir a resposta.

Você agora tem muitas perguntas importantes respondidas. Você agora tem muitas perguntas importantes respondidas. ‘’Quem’’? O seu personagem. ‘’Quando?’’ No passado e no tempo atual. ‘’O que?’’ Um diário, um mistério, e uma pessoa desaparecida.Você ainda não sabe o “porque”, ainda. Essa é uma das coisas que você vai descobrir. Como? Novamente, isso será revelado fazendo perguntas a si mesmo. Confira técnicas especiais de sobre assunto clicando aqui.

Desenvolva seus personagens. Comece com o óbvio. Nesse caso, você já criou dois personagens – um jovem rapaz e seu avô. Você pode determinar características dos dois simplesmente pelo cenário, e expandi-los mais tarde. Seu avô com certeza foi casado, então existe uma avó. Existe uma geração entre o avô e o jovem rapaz, então um dos pais dele é filho ou filha do avô. Viu como é fácil?

Continue assim desse jeito, estendendo um personagem a outros conforme eles vão interagindo entre si. Em pouco tempo, é possível que você já tenha muitos personagens e interações. Isso é bom, especialmente se tratando de um romance de mistério.

No processo de desenvolver personagens, você irá acabar fazendo a si mesmo a mesma pergunta que seus leitores em breve irão fazer: “O que irá acontecer depois?” Use essas perguntas para desenvolver a história. Por exemplo, o jovem rapaz quer descobrir o que aconteceu com o avô dele. Uma vez que tudo o que ele tem é um diário, ele o lê, e descobre a história que fez o avô e a avó se mudarem de uma pequena cidade para as praias da Normandia, atrás das linhas inimigas – tudo isso escrito em seu diário. Ele nunca conseguiu voltar pra casa. Sabendo esses fatos, você começa a enxergar perguntas e um padrão é mostrado:

Os eventos ocorrem “hoje” e também na segunda guerra. Como escrito no diário, a data é 1944.
Para acrescentar alguma ação à história, o jovem rapaz deve fazer alguma coisa. Já que o avô nunca chegou a voltar pra casa, mande o rapaz ir à Alemanha para encontrá-lo – vivo ou morto.
E a avó, onde ela se encontra no meio disso tudo?

Continue através desse processo para criar o arco, e nesse ponto você até pode arriscar um esboço do final: o rapaz descobre porque o avô nunca chegou a voltar, mas descobre como o diário retornou. Então tudo o que você precisa fazer é escrever os acontecimentos intermediários.

Faça uma linha do tempo para seu esboço. Agora que você já criou um enredo básico, faça o rascunho de uma linha do tempo para sua história, com cada evento importante dos seus personagens demarcados na linha do tempo. Existirão vezes em que dois ou mais personagens se cruzarão, e onde alguns desaparecem completamente. Apenas desenhe a linha onde esses eventos ocorrem. Isso também irá ajudar você caso em algum momento sua criatividade fique em falta.

Não hesite em fazer edições. Se você achar que sua trama não vai a lugar algum, e nada que você faça irá ajudar – volte ao ultimo ponto onde tudo fazia sentido, e tente algo diferente. Não é obrigado que sua história faça tudo o que está descrito na linha do tempo. Algumas vezes, a história em si tem outras ideias para onde ela irá rumar. Onde quer que você esteja no processo, sua criatividade pode levar você a vários lugares. Siga-a – isso faz parte do prazer de escrever.

Fonte: WikiHow

Escreva seu primero livro

Cada autor eu sei que obtém a mesma pergunta: Como se escreve um livro?

É uma pergunta simples, mas faz com que problemas inesperados. Por um lado, é bom ter pessoas interessadas em algo que eu faço. Se eu disse que eu fixa torradeiras para viver, eu duvido que eu ia ter muitas dúvidas. As pessoas são curiosas sobre como escrever e o que é legal e lisonjeiro. Rock.

Mas, por outro lado, a mão que envolvem as pessoas que perguntam, porque eles têm uma idéia para fazê-lo eles mesmos, é que escrever livros é um tema tão antigo e textmachine pessoas famosas que quem pergunta na esperança de descobrir o segredo de aconselhamento é difícil levar a sério.

Aqui está o curta verdade: 20% das pessoas que me perguntam está esperando para ouvir isso – Qualquer pessoa pode escrever um livro. Eles querem a permissão. A verdade é que você não precisa de nenhum. Não há nenhuma licença necessária. Nenhum exame. A escrita, ao contrário de publicação, quase não requer financeiros ou recursos físicos. Uma caneta, o papel e o esforço são tudo o que foi necessário para centenas de anos. Se Voltaire e Marquês de Sade, que poderia escrever na prisão, então você pode fazê-lo em suburbia, no almoço, no trabalho, ou depois de suas crianças vão dormir. Você sempre vai encontrar desculpas se você quer e você, provavelmente, não.

Se você quiser escrever, matar a magia: um livro é apenas um monte de escrever. Qualquer pessoa pode escrever um livro. Ele pode chupar ou ser incompreensível, mas de modo que: é ainda um livro. Nada é você parar agora mesmo de a coleta de todo o seu livro de ensino fundamental relatórios, ou bêbados guardanapo rabiscos, juntando-os no Kinkos, por us $20, batendo um título na capa, e da qualificação do autor. Deseja escrever um bom livro? Ok, mas não sair da linha, desde a mais pro autores ainda estão tentando descobrir isso também.

Escrever um bom livro, em comparação com um ruim, envolve uma coisa. Trabalho. Ninguém quer ouvir isso, mas se você pegar dois livros de desconto em qualquer prateleira, eu aposto minhas calças o autor do melhor livro trabalhado mais do que o autor do outro. Chamá-lo de esforço, estudo, prática, qualquer que seja. Com certeza existem alguns truques aqui e ali, mas realmente escrever é uma espécie de obra.

Ficando publicado. 30% do tempo a coisa real, as pessoas estão se perguntando como fazer você encontrar uma editora. Como, se não havia um livro de telefone ou, digamos, uma coisinha, onde você pode olhar essa coisa. Escritores-mercado é, literalmente, implorando para ajudar escritores encontrar editores. Muitas editoras, sendo positivo em toda a ideia de comunicação, colocar informações sobre como enviar material no seu site. E agentes. A grande comédia do presente é a forma como alguns escritores siga as instruções. Isso é o que mija fora todos os editores: alguns autores fazem sua lição de casa.

O ponto de discórdia para a maioria dos quero-ser publicada autores é, novamente, o trabalho. Eles querem ouvir algum segredo que ignora as partes duras. Os editores são justamente exigente e eles se acamparam-se um zilhão de livros por dia. É preciso esforço para aprender as cordas, enviar inteligente consultas, e fazer a pesquisa necessária para o craft, a ideia para um livro e, em seguida, propor-lo de forma eficaz. Assim, enquanto a escrita é uma rejeição propensas a ocupação, mesmo para o rock-stars, encontrar um editor não é um textmachine. Na verdade, todo o jogo é auto-seletiva: as pessoas que não estão dispostos a fazer o trabalho de ficar publicados são susceptíveis de ser capaz de realizar o trabalho necessário para concluir uma decente manuscrito.

Mas que disse: – é mais fácil hoje de auto-publicar do que nunca. Realmente. Mas, novamente, o nosso tragicamente impopular companheiro de trabalho, é necessário por isso muitos preferem ficar perguntando escritores como eles tem publicado em vez de apenas fazer o que ele mesmo. Eu auto publicado meu último livro, e você pode ler o que eu aprendi aqui.

Ser famoso e rico: Agora este é o kicker. Cerca de 50% do tempo a coisa real, as pessoas querem saber é como se tornar um famoso milionário astro do rock autor pessoa. Como se a) I qualificado, b) eu poderia explicar como isso aconteceu, ou c) estou disposto a contar.

Primeiro, isso pressupõe que escrever é uma boa maneira de ficar rico. Eu não tenho certeza de como esta mentira começou, mas a escrita, como a maioria das atividades criativas, tem sido sempre um a menos do que o lucrativo estilo de vida. Mesmo se o livro vende bem, o $$$ a hora relação será bem abaixo de sua média de trabalho corporativo, sem os benefícios de saúde, doentes dias, nem meses, onde você pode costa sem que seu chefe perceba. Hoje em dia as pessoas escrevem livros depois que eles são famosos, não antes. E se apenas os livros de leitura são best-sellers, bem, você tem uma visão míope do mundo editorial. Mais de 100 mil livros são publicados, NOS eua, anualmente, e alguns vendem mais do que alguns milhares de cópias. O que faz com livros para vender, pode ter pouco a ver com o quão bom o livro é, como todos nós temos sido mistificado pela abismal best-sellers e surpreso por incrível de livros de poucos parecem conhecer. De qualquer forma, para justificar o esforço você vai precisar de razões outras do que dinheiro.

Desanimado ainda? Boa. Aqui é a cabeça: eu amo escrever livros. Eu amo ler livros. Eu amo toda a noção de que as pessoas podem fazer as coisas em sua mente e, em seguida, torná-los reais em uma página, ou para o prazer ou o utilitário de alguém. Isso é incrível. Se você gosta de escrever, se você desfrutar o bittersweetness de continuar em busca de palavras em frases, em seguida, você pode amar a escrever os livros, apesar de, ou até mesmo porque, tudo que eu disse acima. Se, então, começar a trabalhar – e agora 🙂

Perguntas para fazer ao Seu Médico Sobre a Menopausa

O que é menopausa? Não menopausa significa apenas que eu tenha parado de ter períodos?
Qual é a idade típica da menopausa?
Eu sou muito jovem para a menopausa?
Quais são os sintomas típicos da menopausa?
Eu poderia estar apresentando sintomas da perimenopausa? Como é a perimenopausa diferente da menopausa?
Quanto tempo devo esperar esses sintomas?
Os meus sintomas ser causado por uma condição diferente da menopausa?
Devo estar vendo um especialista, como um médico ginecologista?
Perguntas que Você Pode Perguntar se Você Já Está na Menopausa

O que faz com que os sintomas da menopausa, como ondas de calor e suores noturnos? O que são fatores de risco conhecidos para ondas de calor?
Algumas mulheres mais propensos do que outros a ter ondas de calor e outros sintomas da menopausa?
Se a minha sintomas da menopausa estão interferindo com a minha capacidade de obter uma boa noite de sono ou prejudicar a minha qualidade de vida, eles são graves o suficiente para justificar o tratamento com medicação ou a reposição hormonal?
Fazer menopausa tratamentos têm efeitos colaterais? Se sim, quais são eles?
Não menopausa me colocou em risco para outras condições de saúde, tais como, incontinência urinária, osteoporose, doenças do coração?
Como a menopausa afeta a minha saúde a longo prazo?

Há mudanças de estilo de vida que eu poderia fazer que iria melhorar a minha sintomas da menopausa?

As ondas de calor da sobrevivendo a menopausa surgem por uma desregulação no nosso mecanismo de controle térmico, aparentemente causada por diminuições dos níveis circulantes de estrogênio.

O fogacho costuma começar como uma sensação súbita de calor localizada na face e na parte superior do tórax, tornando-se rapidamente generalizada. Essa onda de calor ocorre por uma má interpretação da temperatura corporal real pelo hipotálamo, região do sistema nervoso central que age como termostato. A paciente sente-se muito quente, mas sua temperatura mantém-se normal, ao redor dos 36,5ºC.

A sensação de calor dura entre dois e quatro minutos e está frequentemente associada a intensa transpiração e vermelhidão da pele. Como o organismo pensa que o corpo está muito quente, ocorre uma inapropriada dilatação dos vasos da pele, o que leva à vermelhidão e à transpiração.

Com a vasodilatação, sudorese e consequente perda de calor, há uma rápida queda da temperatura corporal, causando uma leve hipotermia. Neste momento, o fogacho começa a se dissipar e surgem os calafrios, um mecanismo usado pelo corpo para gerar calor, numa tentativa de restaurar a temperatura habitual do organismo.

Em algumas mulheres as ondas de calor surgem várias vezes por dia, podendo também aparecer enquanto dormem. Os calores noturnos atrapalham o sono e podem levar à insônia. Se a paciente também tiver problemas como ansiedade ou depressão, comuns na idade da menopausa, podem surgir distúrbios importantes do sono.

O fogacho acomete até 3/4 das mulheres e costuma surgir quando a menopausa se aproxima. Em 80% dos casos as ondas de calor da menopausa duram por mais de um ano. Na maioria das vezes, o fogacho dura por dois ou três anos. Entretanto, 25% das mulheres sofrem com calores por mais de cinco anos e cerca de 10% mantém os sintomas até depois dos 70 anos de idade.

Mulheres com sobrepeso, fumantes ou sedentárias apresentam maior risco de desenvolver fogachos. Não se sabe o porquê, mas afrodescendentes têm mais fogachos que mulheres de origem europeia, que por sua vez têm mais fogachos que mulheres asiáticas quando fazem uso do programa sobrevivendo a menopausa

Tratamentos Naturais Para O Fogacho
Algumas terapias não medicamentosas também ajudam. Perder peso e parar de fumar é imperativo. Evitar bebidas alcoólicas, comidas apimentadas e cafeína também funciona para algumas mulheres.

O calor piora os fogachos, por isso, no verão, procure ficar em ambientes ventilados ou com ar-condicionado. Use roupas leves e beba bastaste líquidos gelados.

A prática regular de atividades físicas e técnicas de relaxamento também são efetivas.

O uso de isoflavonas ou fitoestrogênios (estrogênios das plantas) não apresenta nenhuma comprovação científica. Pelo contrário, os trabalhos indicam que os mesmos possuem apenas efeito placebo e podem ser prejudiciais em mulheres com histórico de câncer de mama

Publicidade – Publicidad
Também não há evidências inequívocas de que a acupuntura tenha efeito no alívio dos calores da menopausa.